Classificação das cirurgias de acordo com o potencial de contaminação


A Infecção do Sítio Cirúrgico (ISC) é uma das principais infecções relacionadas à assistência à saúde no Brasil, ocupando a terceira posição entre  todas as infecções em serviços de saúde e compreendendo 14% a 16% daquelas encontradas em pacientes hospitalizados. Estudo nacional realizado pelo Ministério da Saúde no ano de 1999 encontrou uma taxa de ISC de 11% do total de procedimentos cirúrgicos analisados. Esta taxa atinge maior relevância em razão de fatores relacionados à população atendida e procedimentos realizados nos serviços de saúde.

As definições de procedimento cirúrgico, infecção e indicadores constituem a base que norteia o trabalho das Comissões de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH). A utilização de definições para os procedimentos e critérios para diagnosticar uma infecção, de modo harmonizado por todos os serviços de saúde, possibilita selecionar o objeto da vigilância e permite a comparação entre eles. Do contrário, as comissões estarão, muitas vezes, comparando de forma imprópria taxas e referências.

O número de microrganismos presentes no tecido a ser operado determinará o potencial de contaminação da ferida cirúrgica. De acordo com a Portaria nº 2.616/98, de 12/5/98, do Ministério da Saúde, as cirurgias são classificadas em:

  • Operações Limpas: São aquelas realizadas em tecidos estéreis ou passíveis de descontaminação, na ausência de processo infeccioso e inflamatório local ou falhas técnicas grosseiras, cirurgias eletivas e traumáticas com cicatrização de primeira intenção e sem drenagem. Cirurgias em que não ocorrem penetrações nos tratos digestivo, respiratório ou urinário.
    • Procedimentos cirúrgicos ortopédicos (eletivos);
    • Anastomose portocava, esplenorenal e outras;
    • Artoplastia do quadril;
    • Vagotomia superseletiva (sem drenagem);
    • Cirurgia cardíaca;
    • Herniorrafia de todos os tipos;
    • Neurocirurgia;
    • Mastectomia parcial e radical;
    • Cirurgia de ovário;
    • Enxertos cutâneos;
    • Esplenectomia;
    • Cirurgia vascular;
    • Mastoplastia.
Mastoplastia transaxilar

  • Operações Potencialmente Contaminadas: São aquelas realizadas em tecidos colonizados por flora microbiana pouco numerosa ou em tecidos de difícil descontaminação, na ausência de processo infeccioso e inflamatório e com falhas técnicas discretas no transoperatório. Cirurgias limpas com drenagem, se enquadram nesta categoria. Ocorre penetração nos tratos digestivo, respiratório ou urinário sem contaminação significativa.
    • Feridas traumáticas limpas - ação cirúrgica até dez horas após traumatismo;
    • Cirurgia gástrica e duodenal em pacientes normo ou hiperclorídricos;
    • Cirurgias cardíacas prolongadas com circulação extracorpórea;
    • Cirurgia das vias biliares sem estase ou obstrução biliar;
    • Cirurgia do intestino delgado (eletiva);
    • Colecistectomia + colangiografia;
    • Vagotomia +  drenagem;
    • Histerectomia abdominal
Histerectomia abdominal (leiomioma)

  • Operações Contaminadas: São aquelas realizadas em tecidos traumatizados recentemente e abertos, colonizados por flora bacteriana abundante, cuja descontaminação seja difícil ou impossível, bem como todas aquelas em que tenham ocorrida falhas técnicas grosseiras, na ausência de supuração local. Presença de inflamação aguda na incisão e cicatrização de segunda intenção, grande contaminação a partir do tubo digestivo.
    • Obstrução biliar ou urinária;
    • Cirurgia gástrica em pacientes hipoclorídicos (câncer, úlcera gástrica);
    • Feridas traumáticas com atendimento após dez horas de ocorrido o  traumatismo;
    • Fraturas expostas com atendimento após dez horas;
    • Cirurgias das vias biliares em presença de obstrução biliar;
    • Cirurgia duodenal por obstrução duoenal;
    • Debridamento de queimaduras;
    • Anastomose bilio-digestiva;
    • Cirurgia intranasal;
    • Cirurgia bucal e dental;
    • Cirurgia de orofaringe;
    • Cirurgia do megaesôfago avançado;
    • Coledocostomia;
    • Cirurgia de cólon.
Colectomia subtotal

  • Operações Infectadas: São todas as intervenções cirúrgicas realizadas em qualquer tecido ou órgão, em presença de processo infeccioso (supuração local), tecido necrótico, corpos estranhos e feridas de origem suja.
    • Colecistectomia por colecistite aguda com empiema;
    • Exploração das vias biliares em colangite supurativa;
    • Presença de vísceras perfuradas;
    • Cirurgia abdominal em presença de pus e conteúdo de cólon;
    • Nefrectomia com infecção;
    • Cirurgia do reto e ânus com pus;
    • Hemorroidectomia.
Hemorroidectomia por grampeamento


Nenhum comentário: